[resenha] Holocausto Brasileiro

Título: Holocausto Brasileiro
Autora: Daniela Arbex
Editora: Geração Editorial
Páginas: 256
Skoob: Holocausto Brasileiro

"Marlene foi surpreendida pelo odor fétido, vindo do interior do prédio. Nem tinha se refeito de tamanho mal estar, quando avistou montes de capim espalhados pelo chão. Junto ao mato havia seres humanos esquálidos. Duzentos e oitenta homens, a maioria nu, rastejavam pelo assoalho branco com tozetos pretos em  meio à imundície do esgoto aberto que cruzava todo o pavilhão. Marlene sentiu vontade de vomitar. Não encontrava sentido em tudo aquilo, queria gritar, mas a voz desapareceu da garganta."

Primeiro eu gostaria de dizer que eu levei um ano lendo esse livro. Sim, meus amigos, um ano. Vocês vão entender o motivo.
Holocausto Brasileiro é um livro-reportagem que conta a história do maior hospício do Brasil, o Colônia, que ficava localizado em Barbacena - MG. No livro, Daniela Arbex traz os horrores desse lugar que matou mais de 60 mil pessoas e destruiu a vida de tantas outras.
Logo no início do livro nos é mostrado as condições em que os "pacientes" eram mantidos. Para abrir mais vagas no Colônia, as camas foram retiradas dos quartos e os residentes dormiam em montes de palha, grande parte dos pacientes andavam nus (no inverno muitos morriam) e diariamente os pacientes viviam em meio a fezes e bebiam água de esgoto. Além de maltratados, os pacientes do Colônia eram torturados com eletrochoques (que eram aplicados pelos motivos mais absurdos), jatos de água ou sendo obrigados a passar noites de inverno no pátio, nus e sem abrigos. Nessas noites eles tentavam ficar bem próximos para se aquecer, mas muitos morriam.
Cerca de 70% dos internos do Colônia não tinham diagnóstico de doença mental. As pessoas eram internadas por diversos motivos e o hospício acabava virando a casa de alcoólatras, homossexuais, prostitutas, vítimas de abusos sexuais e pessoas que irritaram quem não deveria. Os que entravam no Colônia eram completamente esquecidos pela sociedade e viviam abandonados a própria sorte. No livro, Daniela Arbex conta a história de alguns desses pacientes e apesar de todo o sofrimento, muitas dessas histórias emocionam.
Depois de falar sobre o tratamento geral e contar um pouco da história de pacientes e funcionários que passaram (e muitos ficaram) pelo Colônia, a autora fala de todo o processo da Luta Antimanicomial no Brasil e os principais personagens que ajudaram a mudar uma realidade tão absurda que durou grande parte do século XX (no caso do Colônia).
O livro é chocante e eu perdi as contas de quantas vezes eu tive que parar pra chorar. Eu não sei se eu teria coragem de terminar o livro se não tivesse intercalado com outras leituras e me dado um tempo para digerir o que eu lia (por isso levou tanto tempo), mas eu considero uma leitura muito importante. Eu sempre gostei muito de estudar História e eu sei que nem sempre essa História é bonita, mas eu acho que as pessoas que sofreram e as que lutaram tanto por mudanças merecem ser lembradas.
Eu terminei o Holocausto Brasileiro com o coração pesado, mas não me arrependo de forma nenhuma de ter lido.

Obs: Eu pensei em colocar aqui algumas das fotos que tem no livro, mas são imagens bem fortes para os desavisados (na verdade, para os avisados também).
Obs 2: Hoje em Barbacena existe o Museu da Loucura que mostra a história do Colônia. Eu jamais terei estrutura para conhecer.

Comentários

  1. Ao mesmo tempo em que tenho vontade de ler, fico com receio justamente pelo tema abordado ser tão forte. Se o conteúdo já causa um certo desconforto, fico imaginando as fotos. O pior ainda de tudo e saber que isso tudo aconteceu de verdade, que muitas pessoas sofreram inimagináveis vezes e de diversas formas.
    Gostei de sua forma sincera ao aborda o conteúdo do livro.
    Beijos
    https://recolhendopalavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dany!
      A leitura é bem pesada mesmo, justamente por saber que é real. Eu chorei muito lendo.
      Beijo

      Excluir
  2. Olá, Daniella.
    Eu quis ler esse livro desde que conheci ele. mas não sei se vou conseguir. Achei ele bem forte e não sei se conseguiria terminar mesmo intercalando com outras leituras como você fez. Mas acredito que é um período da nossa história que devemos conhecer, principalmente para que não volte a se repetir.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sil!
      Ele realmente é bem forte e você tem que estar bem segura do que vai encontrar. Espero que algum dia você consiga.
      Beijo

      Excluir
  3. É uma leitura que com certeza aperta o coração de qualquer ser humano. As atrocidades praticadas no holocausto só podem ter sido praticadas por mentes insanas e infelizmente fazem parte da história.
    Vejo que foi uma leitura de cabeceira que vc consumiu no decorrer de um ano. Faço isso com livros históricos e longos.
    Gostei muito de estar por aqui.
    Beijos
    Saleta de Leitura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Irene!
      Esse tipo de leitura geralmente precisa demais tempo mesmo. É muito peso pra poucos dias. rs
      Beijo

      Excluir
  4. Parece ser bem interessante, gosto de livros nesse gênero :D

    submersa-em-palavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!
      Foi uma boa leitura, apesar de triste.
      Beijo

      Excluir
  5. Meu Deus! É perceptível através da resenha todo o horror que você encontrou nas páginas do livro. Holocausto me lembrou muito uma série chamada Asylum, principalmente o volume A Fuga, caso você tenha interesse em procurar saber mais a respeito, e eu já fiquei assombrada com o que encontrei ali, mas é totalmente diferente ler ficção e saber que nada daquilo de fato aconteceu e ler uma história com relatos reais. O quanto essas pessoas devem ter sofrido é devastador... e se imaginarmos quantos morreram ali, então... Em Asylum acontece a mesma coisa: As pessoas eram internadas não por serem doentes mentais, mas apenas por não serem do jeito que a sociedade considerava como normal, sendo a maioria homossexuais. A autora disse que também se inspirou nos eventos cruéis que ocorriam num hospital para criar a história, mas o hospital não era no Brasil. Nós aprendemos sobre o Holocausto na escola, mas um livro desses consegue mostrar com mais clareza a realidade que essas pessoas infelizmente viveram. Ótima resenha!!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, carol!
      Eu conheço a série Asylum, mas só li o primeiro livro até agora.
      Realmente, é muito mais difícil quando a gente sabe que foi de verdade. :(
      Beijo

      Excluir
  6. UAU!
    Esse livro deve ser vários tapas na cara da sociedade né? Intenso, que fará a gente se arrepender de reclamar tanto da vida... Não o conhecia!
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ale!
      Muitos tapas mesmo! E muita tristeza.
      Beijo

      Excluir
  7. Oi Dani!
    Nossa!!! Não conhecia a história desse lugar, e acho que não teria estrutura psicológica para ler esse livro. Sofri só de ler sua resenha... Que horrível isso tudo ter acontecido, essas pessoas... Também acho que não conseguiria visitar o museu.

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sora!
      Foi uma leitura muito difícil e sinceramente eu não sei como consegui ler todo. Eu te entendo. rs
      Beijo

      Excluir
  8. Olá!
    Eu ando presa em uma ressaca literária gigantesca há mais de ano. Livro nenhum da minha estante me interessa, e eu venho tendo uma vontade muito grande de pegar livros diferentes do que eu jamais li, e esse parece ser quase que exatamente o tipo de coisa que eu preciso ler.
    Vou pegar sua dica de intercalar a leitura e tentar absorver a história de verdade.

    Muito obrigada pela indicação!
    meu canal: AnaCarolina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana!
      Eu sei bem como é isso. As vezes eu também preciso ler uma coisa completamente diferente pra dar uma respirada.
      Apesar de ser uma leitura pesada, eu acho que vale muito a pena.
      Beijo

      Excluir
  9. Oi, Daniella.
    Caramba, que história assustadora e infelizmente real.
    Eu já vi que tem um filme/documentário sobre o livro rolando na HBO, mas só soube agora do que se tratava por sua resenha. Vou procurar assistir.
    A gente pensa que coisas assim não acontecem ou só acontecem longe da gente, mas de repente somos surpreendidos bem diante dos nossos olhos.
    Abraços.
    Diego || Diego Morais Viana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Diego!
      As vezes a gente tem a sensação que essas coisas só acontecem muito longe e parece meio irreal. Ver uma coisa dessa bem aqui pertinho e que durava até bem pouco tempo, é bem chocante e triste.
      Beijo

      Excluir
  10. Olá! Tenho vontade de ler esse livro desde que fiquei sabendo de sua existência. Não sei pq ainda não li. Lembro que li algumas passagens dele e vi algumas fotos.
    Bem forte mesmo. Tem uma coisa que eu li, na época, mas agora não estou me recordando se é desse livro ou de algum outro (me avise se caso for de outro livro, por favor). Que dentro desse hospício havia uma pessoa que não falava com ninguém, simplesmente não abria a boca para soltar um mísero som. Então, o tratavam como surdo e mudo, mas na verdade, o real motivo para essa pessoa nunca falar, era pq nunca ninguém havia ido falar diretamente com ela, nem ao menos um "tudo bom?", Sei lá...achei isso forte.
    Beijos
    5 O'clock Tea

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mi!
      É desse livro sim. Essa história é bem forte mesmo e tem varias outras nesse mesmo estilo.
      É um livro chocante, mas eu espero que você possa ler.
      Beijo

      Excluir

Postar um comentário