[mulheres hq's #04] Miss Fury



Criada em 1941, Miss Fury (primeiramente Black Fury) foi a primeira super-heroína criada, roteirizada e desenhada por uma mulher. Na época, June Tarpé Mills adotou o pseudônimo de Tarpé Mills para esconder o fato de ser mulher e garantir que a personagem pudesse ter mais atenção.
Marla Drake era uma socialite rica e sem superpoderes, mas possuía diversos recursos tecnológicos ao seu favor, além disso, ela é acrobata, atleta, lutadora de artes marciais e investigadora. Seu uniforme dá imunidade à magia e alguma proteção contra dano.



A primeira vez que Marla utilizou seu traje foi para ir a uma festa a fantasia. Informada que outra mulher usaria um vestido parecido com o seu, a socialite resolve vestir a pele de pantera negra que seu tio trouxe da África. Quando estava a caminho da festa, Marla ajudou a polícia a capturar um criminoso e a partir daí passou a lutar contra vilões e nazistas ao redor do mundo (inclusive no Brasil).  


A personagem que serviu de inspiração para a Mulher Maravilha e Hellcat, estreou no Sunday Comic e continuou sendo publicada até 1952. Miss Fury também teve histórias publicadas em revistas em quadrinhos, que chegaram a vender mais do que as da Mulher Maravilha. 

CURIOSIDADES

- Marla Drake foi inspirada fisicamente na própria Tarpé Mills, além disso, a cartunista inseriu seu gato Perri-Purr nas histórias, que longe de ser apenas um adereço, é um personagem que inclusive ajuda a heroína.

- Durante a Segunda Guerra Mundial muitas mulheres assumiram trabalhos tido como masculinos, inclusive de cartunistas, por motivos de: os homens estavam lutando na guerra. Porém, quando a guerra acabou, a grande maioria das cartunistas perderam seus empregos ou se mantiveram escrevendo apenas histórias infantis ou romances.

- Atualmente tem histórias de Miss Fury publicadas pela Dynamite, escritas por Rob Williams e ilustradas por Wagner Reis.

- Enquanto eu estava lendo sobre personagens femininas (inclusive se vocês tiverem indicações de leituras, eu tô aceitando), eu encontrei duas dissertações maravilhosas. Uma fala sobre as representações femininas nas histórias em quadrinhos norte-americanas, com foco em June Tarpé Mills e Miss Fury (essa dissertação foi escrita por Natania Nogueira e pode ser encontrada aqui) e a segunda foi escrita por Jaqueline Cunha e faz uma comparação entre Miss Fury (conhecida no Brasil com Mulher Pantera) e Mulher Maravilha (essa pode ser encontrada aqui). 


Para terminar, fiquem com essas duas fotos de June Tarpé Mills e seu gatinho. :)




Comentários

  1. Oii!
    Nunca tinha ouvido falar dessa super heroína... adorei o post!
    Que legal que a autora também gostava de gatos :)

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  2. Oie! Que super legal esse port! Não sabia da existência dela. Me lembrou uma mistura de Batman com a Mulher Gato.hehe Amei!
    Beijos
    Resenhando por Marina

    ResponderExcluir
  3. Oiee! Nossa, eu não sabia que essa foi a primeira super-heroína criada, roteirizada e desenhada por uma mulher <3 saber dessa informação já me fez ver o quadrinho com outros olhos! Curti!

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oii!
      Que bom que você gostou. Eu também amei descobrir essa personagem. ^^
      Beijo

      Excluir
  4. Oi!
    Não conhecia essa história! Poxa, que bacana!!
    5 O'clock Tea

    ResponderExcluir
  5. Que post legal :D

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. AMEI! Nunca tinha ouvido falar da heroína, mas só o fato de ter sido pensada e construída por uma mulher já me dá vontade de ler. É tão triste saber que ela teve que esconder ser uma mulher pra publicar os quadrinhos, né? Machismo é foda. Mas que bom que ela conseguiu, e entrou pra história!
    Um beijão,
    Gabs | likegabs.blogspot.com ❥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gabs!
      É triste também saber que ela não foi a única a ter que esconder o gênero pra ser levada a sério.
      Beijo

      Excluir
  7. Oi, Daniella.
    Como a maioria dos que comentaram aqui, eu não conhecia essa heroína.
    É interessante porque foi quando tudo começou e a autora tinha que esconder que era mulher... Pena, mas ela se superou e marcou seu nome na história dos quadrinhos.
    Abraços.
    Diego || Diego Morais Viana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Diego!
      Enquanto eu pesquisava, descobri varias histórias parecidas naquela época. É uma coisa bem interessante pra pensar. ^^
      Beijo

      Excluir
  8. Oi, Dani, tudo bem?
    Não conhecia a heroína ainda, mas é claro que já amei conhecer.
    É muito bom saber que as mulheres tiveram muito mais papel na história do que a sociedade patriarcal nos conta. Mas ao mesmo tempo é muito triste saber que tantos papéis foram escondidos.
    E sobre o nome ser escondido, nada muito diferente do que ainda acontece, não é mesmo? Mas tenho certeza de que um dia ainda mudaremos isso.
    Um beijão
    http://www.profissaoescritor.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi, Gih!
      É como dizem por aí: nada novo sob o sol. Triste isso.
      Beijo

      Excluir
  9. Olá, Daniella.
    Eu sou meio por fora desse mundo de heróis. Mas essa eu acho que nunca tinha visto falar mesmo. Achei muito legal ela usar o gatinho na história. Quantas mulheres não precisaram escrever sob pseudônimo naquela época. E o pior que ainda hoje as mulheres são desvalorizadas em alguns gêneros considerados masculinos.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sil!
      Eu também só conheci pesquisando. rs
      E sim, os pseudônimos ainda não morreram. Infelizmente ainda tem mulher "se escondendo" para falar de assuntos considerados "masculinos".
      Beijo

      Excluir
  10. Nossa, adorei o post, não tinha conhecimento dessas coisas por trás da personagem da Mulher Maravilha! É triste ver como no passado as mulheres possuíam o talento desvalorizado, ainda bem que as coisas enfim estão mudando

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Carol!
      E é triste saber que essa desvalorização não era só com relação a quadrinhos.
      Beijo

      Excluir
  11. Que interessante! Não conhecia a heroína e muito menos sua história por trás. Isso mostra como diversas mulheres tiveram papéis importantes no mundo dos quadrinhos, das artes, da ciência, da política e etc, porém sem o devido reconhecimento por conta do machismo da época. Ao mesmo tempo é bom saber e é triste, pois tudo foi feito escondido e a mulher sempre ficou por trás dos homens. Para nossa sorte muita coisa mudou de lá para cá e continua mudando.

    Beijos

    Vivian
    Saleta de Leitura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vivian!
      E a gente espera que essas mudanças continuem. :)
      Beijo

      Excluir
  12. Oi Dani!
    Eu queria começar a seguir alguma HQ, mas são tantos livros que eu já me perco, imagina me inserir nesse outro mundo?
    Não conhecia a Miss Fury, mas adorei!!!! Adoro essa onda emponderamento feminino, conseguimos achar personagens que merecem mais destaque.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ale!
      Eu fiquei perdidinha no inicio e ainda fico. hahaha
      Mas é um universo muito legal!
      Miss Fury é maravilhosa mesmo. haha
      Beijo

      Excluir
  13. OOOOOOOI

    eu não fazia ideia da existencia desse HQ tão cheio de girl power e, inclusive, criado por uma mulher! Adorei o fato dela ser catlover também HAHAHAH (ultimas fotos lindas com gatíneos *-*)

    beijo
    www.beinghellz.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oiii!
      Nem me fale desse gato. Dá vontade de morder. hahahhaha
      Beijo

      Excluir

Postar um comentário