[conto] O Caso do Demônio dos Olhos Vermelhos


Há alguns dias eu postei aqui um conto que estava competindo em um concurso de contos de terror (leia aqui). Ghuleh foi o ganhador, mas outros contos muito bons também estavam na disputa, então hoje eu decidi trazer mais um dos que eu gostei. No inicio eu estranhei um pouco a linguagem que o autor usa, mas depois eu me acostumei. Além disso, esse conto tem um final maravilhoso.
Bom, leiam vocês mesmos. :)


O Caso do Demônio dos Olhos Vermelhos
Rômulo Karymi

- Ei Jonas! Tu pegaste as ferramentas lá no depósito?
- Eita, mas não é que eu esqueci Pedrinho? Vou voltar lá e pegar.
- Mas rapaz já está tudo escuro agora. Era pra tu ter visto isso antes.
- Tudo bem Pedrinho, tem problema não. Eu vou lá num pulo.
- Ta homi, não se demore não – Disse Pedrinho com temor em sua voz.

Jonas se pôs a atravessar o pasto escuro com sua lanterna velha. Estava determinado a pegar a caixa de ferramentas, pois precisava concertar o fogão do casarão do Duque ainda essa noite. Sua cabeça avoada o fez se esquecer de pegar essa caixa mais cedo, antes de escurecer. Jonas já passava dos seus
56 anos, e sua memória já não era a mesma. Ele e sua família, e outra família de empregados, viviam em uma grande fazenda no interior. São caseiros e cuidam do campo e do casarão do excêntrico Duque Valdir, que é dono de todo o terreno. Jonas é um trabalhador dedicado, que não gosta de deixar afazeres pra depois. Então estava determinado a enfrentar aquele breu, pra poder finalizar seu trabalho do dia. Enquanto caminhava pelo pasto escuro, Jonas se lembrava de uns dias atrás, em que seu filho lhe falou que havia visto uma silhueta estranha pela janela dos fundos. O garoto afirmou que viu vagando no campo, um monstro de olhos vermelhos brilhantes. Claro que Jonas não acreditava na imaginação fértil do seu filho. Mas andar ali sozinho naquele campo escuro, somente ao som dos ventos fortes daquela noite, o provocou leves calafrios.
Finalmente chegando ao depósito, Jonas percebe que a porta foi deixada aberta.

- “Pedrinho se esqueceu de fechar a porta com certeza” – Pensou Jonas.

Resmungou baixinho sobre a “cabeça de vento” de Pedrinho, e continuou por dentro da grande casa de madeira iluminando o escuro caminho com sua lanterna. Andando devagar pra não esbarrar em algo largado no chão, foi cuidadosamente na direção do armário onde havia deixado a caixa de ferramentas. Então de repente ouviu um barulho forte vindo da entrada do depósito. Concluiu que era o vento, que havia empurrado a porta fechando-a, e não deu muita importância. Então chegou ao armário, pegou a chave e o abriu.

Então algo saiu de dentro! Pulou em cima dele com um guincho e o arranhou algumas vezes. Jonas foi rápido e se desvencilhou do animal. Deu um tapa forte em cima do bicho, derrubando ele no chão. Não conseguiu ver direito que animal era, mas parecia um mamífero silvestre, talvez uma ratazana. O
coração de Jonas estava batendo mais rápido com o incidente, precisou respirar fundo um pouco pra se recuperar do susto. Então com sua lanterna achou a caixa de ferramentas, fechou o armário e começou a ir embora dali. No caminho de volta, ouviu um barulho de algo se mexendo perto da saída. Concluiu que seria aquela ratazana novamente. Mas logo descartou a ideia, quando ouviu o leve barulho de uma respiração forte. O que era aquilo? Eestava logo perto da saída depósito, ele podia ouvir o barulho vindo de lá.
Ficou indeciso se continuava andando, ou se esperava mais um pouco para ver do que se tratava. Então algo o espantou! Ouviu um grunhido quase que gutural vindo da saída do galpão. Agora estava oficialmente assustado. Então ouviu essa mesma voz gutural e grave resmungar:

- Sou o demônio vou te pegar.

Jonas muito assustado ficou calado tentando entender.

- Melhor correr se não vou te pegar!

Aquela voz grave e rasgada era assustadora. Jonas não conseguiu segurar o medo e começou a correr para a saída dos fundos do galpão. Correu que nem um condenado, e ao chegar perto da porta sentiu um cheiro estranho de enxofre. Então para coroar o seu medo ele ouve uma risada sinistra:

- Hihihihihi... Malquezar ta aqui pra ti ver, o Jonas!
- Quem é que ta ai? Que palhaçada é essa rapaz? – Perguntou Jonas com muita insegurança na voz.
- Hehehehe. Vem logo, vem – Respondeu a estranha voz com um tom agudo, debochado e sinistro.
- Mas que palhaçada é essa? Pedrinho és tu que ta com essa traquinagem é? – Perguntou o velho Jonas, agora com o medo transparecendo em sua voz.

Então de repente em sua frente, surgem dois olhos vermelhos brilhantes. Imediatamente lembrou-se do que seu filho havia lhe contado dias atrás. Começou a gemer de medo e não sabia o que fazer. Não tinha coragem de apontar a lanterna pra aquele rosto no escuro. Somente rezou pra que aquilo fosse uma brincadeira. Então a criatura começou a rir novamente e falou:

- Jonas! Logo você vem comigo pra passear na terra do fogo. Mas até lá você tem uma dia pela frente, pra salvar tua família do mesmo destino – Falou a voz obscura, com seriedade e tom agudo assustador.
- Do que você está falando coisa ruim? Deixa minha família em paz lazarento! – Respondeu Jonas desesperado, mais preocupado com sua família do que consigo mesmo.
- Você tem um dia pra salvar tua família. Se você conseguir, eu carrego só você comigo velho Jonas. Hahahahaha...

Jonas começou a se desesperar, então os olhos vermelhos se aproximaram dele rapidamente e a voz disse a ultima frase:
- Você tem até meia noite de amanhã!

Um barulho ensurdecedor tomou conta dos ouvidos de Jonas, e então ele desmaiou.
. . .


Era de manhã e Jonas estava dormindo em sua cama, o barulho do galo o acordou. Ele deu um salto da cama e olhou em volta. Estava surpreso que estava em seu quarto. A ultima coisa que lembrava era que estava no galpão. Então sua mulher Maria entrou no quarto com seu típico uniforme de cozinheira, e olhou admirada para o marido:

- Bom dia dorminhoco. Ta tudo bem com você homi?
- Por que a pergunta minha esposa?
- É que ontem você chegou tarde da noite no quarto, falei com você e tu me ignoraste, como se eu nem tivesse ali. Só se deitou e dormiu feita uma tábuavelha.
Jonas pensou por um instante sobre isso e resolveu amenizar a situação:
- É que eu estava morrendo de sono mulher. Ainda tive que arrumar umas coisas no galpão e cheguei acabado.
- É, mas tu se esqueceste de arrumar o fogão ontem homi. Sorte que o Pedrinho acordou bem cedo. 
Ele foi no galpão pegou as ferramenta tudo e consertou aquela joça. Ele estava preocupado contigo. Ficou te esperando voltar do galpão ontem.
- É que acabei me perdendo nas coisas mulher. Mas depois vou falar com ele.
- Ta bão. Mas tu ta meio engraçado viu. Ta com cara de assustado seila. O que te aconteceu?
- To bem. Tem nada não mulher. Deixa eu me levantar que tem muita coisa pra fazer – Falou Jonas resolvendo poupar sua mulher de sua experiência louca da noite anterior.

Jonas se levantou e se se vestiu. Logo depois foi apressado pra ir falar com Pedrinho, na casa vizinha onde mora a outra família. Na porta da casa estava a única filha de Pedrinho, Joana. Ela estava no auge dos seus 19 anos e era uma bela moça, bastante prendada e educada.

- Bom dia Joana! Teu pai ta ai querida?
- Dia! Ele ta sim seu Jonas. Pode entrar que ele está lá na sala com a mãe.
Jonas entrou e viu Pedrinho, um forte caseiro no auge de seus 43 anos, e sua bela e jovem esposa Janaina, sentados olhando para vários retratos em cima da mesa da sala.
- Bom dia meu povo. Estão fazendo o que por aqui?
- Estamos relembrando nosso casamento meu amigo. Já são mais de 20 anos de casados, éramos jovens ainda. Eu com 23 anos sabia nada da vida, e minha Janaina tinha só 16, sabia menos ainda. Estávamos aqui reparando que passou todos esses anos, e sabemos é nadica de nada ainda num sabe?
Os três começaram a rir em conjunto da piada, e Jonas aproveitou pra se sentar. Enquanto isso Janaina se levantou quando ouviu o barulho da panela de pressão na cozinha.
- Então homi o que aconteceu com tu ontem? Tu sumiste fiquei até preocupado. Voltei lá no depósito e não te achei.
- Então Pedrinho me diga. Tu viste algo estranho lá dentro?
- Eu não homi. Mas o que tu esperavas que eu visse?
- Nada não. Acho que eu sonhei muito forte ontem, e to confundindo as coisas. Vir aqui mesmo te agradecer, por arrumar meu fogão lá em casa viu. Eu tava meio cansado essa manhã.
- Tudo bem homi. Tua mulher te falou do recado do Duque?
- Que recado Pedrinho?
- Ele disse que quer dar uma janta pra um amigo dele que veio dessas terras de “Roliudi”. Um homi estrangeiro num sabe? Mas tu num sabe da maior. Ele quer que a gente sirva o jantar é no estábulo dos cavalos. Disse que mandou até um pessoal da cidade trazer a decoração. Vai dar uma festa pra esse amigo dele no estábulo. Esse Duque dizem que é excêntrico, mas eu penso que ele é maluco mesmo num sabe?
- Mas que coisa rapaz. Então vamos ter que levar as mesas e as cadeiras do casarão lá pra dentro. Vai ser uma trabalheira, mas se o Duque pediu né. Então vamos fazer isso logo amigo, antes que fique tarde.

Então os dois caseiros começaram a carregar as coisas, com ajuda do filho mais velho de Jonas chamado Guto, que não gostava de trabalho braçal. Ficaram por algumas horas arrumando o estábulo pra o jantar do Duque, e Guto sempre reclamava do trabalho discutindo com seu pai. Então finalmente terminaram, e depois do trabalho duro Jonas e Guto foram pra casa cansados. Pedrinho se despediu observando Jonas com um olhar de pena e estranheza ao mesmo tempo:

- Até mais tarde compadre. Melhor descansar um pouco antes do jantar, vai
fazer bem pra você.
- Obrigado Pedrinho, até mais ver.

. . .


Guto era franzino e introspectivo. Adorava ler, e ficar no computador em seu quarto. Estava já com 17 anos, e era apaixonado por sua vizinha Joana, a única menina que ele conhecia pelas redondezas. Chegando à casa, Maria esperava na porta com cara de poucos amigos.

- O Jonas que história de terror é essa que o Rafinha anda se assustando hein? Ele ta lá no quarto dele em baixo das cobertas, dizendo que viu o monstro de olhos vermelhos ontem à noite. Que coisa é essa hein?
- A mãe foi um livro que o Duque me deu, e Rafinha insistiu que eu contasse pra ele a história. Ai eu contei oras. Ele já não é um bebê. Onde já se viu? Com 11 anos e ainda fica todo medroso com historinha de livro bobo!
Maria ficou parada sem resposta, como se nada fosse dito, somente esperando Jonas se manifestar. Então Jonas sentiu a responsabilidade de intervir e falou:
- Guri deixa de ser mal educado! E tu não me conta mais essas histórias pro Rafinha, que ele ainda se assusta muito fácil! Tu me ouviste garoto? – Falou Jonas com segurança olhando pro seu filho.
- Ta bom... Beleza pai – respondeu Guto.

Jonas discutiu com seu filho enquanto sua mente latejava em pensamentos. Então não era só ele que viu aqueles olhos vermelhos naquela noite. Ele lembrava que seu filho mais novo já havia relatado isso outro dia. Mas agora a coisa estava ficando mais séria. Então resolveu chamar Guto para o quarto
dele e começou a perguntar.

- Meu filho me conta essa história desse monstro de olhos vermelhos.
- Pra que tu queres saber disso meu pai?
- To curioso do que meu filho anda lendo é só, mas não vou brigar não, e nem lhe tirar o livro. Pode me contar sem medo, estou muito curioso. Sempre gostei de uma história de terror.
- Mas não é uma história de terror. É um livro que fala de maldições e demônios. Malquezar o demônio de olhos vermelhos é um deles.
Jonas quando ouviu esse nome seu coração começou a bater mais forte.
- Então eu estava lendo sobre esse demônio pro Rafinha. Ai ele ficou dizendo depois, que viu ele pelo pasto a noite. Mas isso não é culpa minha não.
- Sim tudo bem filho. Mas me fala mais desse bicho.
- Não é bicho pai. Como eu te disse é um demônio. Então, esse demônio é muito antigo. Ele amaldiçoa famílias que possuem divida de sangue com ele.
- O que é isso?
- Divida de sangue é quando você faz um pacto com o capeta pra conseguir benefícios, e você tem que dar algo em troca.
- E tu fez isso meu filho?
- Hahahaha... Eu não pai. Não sou louco. Mas acho que o Duque fez um pacto sim, ele é locão. Ele me deu esse livro, e me disse que era do meu tataravô, o avô de mamãe. Me contou que é um livro muito antigo, que tem mais de mil anos. Como o meu tataravô tinha uma loja de antiquaria na cidade,
deu de presente pra ele, e contou que o livro era mágico.
- Eu lembro que fui chamado pra trabalhar na fazendo pelo Duque, pois ele era amigo de infância do pai de Maria, mas não sabia que ele conhecia o velho Antônidas. Mas de qualquer maneira ele não deveria te dar esse tipo de coisa.
- Mas pai é uma relíquia de família – Falou Guto mostrando um livro com uma capa preta, e alguns desenhos e símbolos estranhos na capa - E nada disso é verdade. Malquezar é um personagem bem bobo na verdade. Onde já se viu um demônio brincalhão, que gosta de fazer joguinhos com suas vitimas. Que usa seus poderes pra manipular as pessoas, e as fazer caírem em armadilhas. Se fosse um demônio mesmo ele matava todo mundo só com um sopro.
- Não fala isso meu filho! Me dá esse livro aqui! – Falou Jonas com rispidez,muito perturbado com tudo aquilo.
- Porra pai tu disse que não ia pegar o livro! Que merda!

. . .


Já era quase de noite, e Jonas estava sozinho na sala tentando ver um pouco de televisão pra se distrair. Então de repente a imagem da tela ficou azul, e uma voz rouca podia se ouvir saindo do auto falante:
- Jonas, eu tô aqui. Vou te pegar!
Jonas correu em direção à tomada e puxou o fio da televisão. Estava oficialmente assombrado. Então ouviu um grito vindo do quarto de seus filhos. Era Rafinha gritando assustado com algo. Jonas saiu correndo pra ver o que tinha acontecido, e achou Rafinha escondido em baixo dos cobertores.
- O que foi meu filho?
- Papai eu vi um monstro passando lá fora pela janela.
- Que monstro o que meu filho! Deve ter sido sua mãe mais Joana e Janaina, passando com as panelas na cabeça indo pro estábulo.
- Não papai eu te juro! É o monstro, estava indo lá pro depósito! Eu vi! Os olhos dele brilhavam de vermelho papai!
- Eita essa história de novo meu filho! Você pare com isso! Esse demônio não existe não visse? – Falou Jonas sem segurança tentando negar algo que ele mesmo sabia da verdade.
- Eu tenho medo painho...
- Tenha não meu filho...
Jonas olhou pela janela e perguntou:
- Onde está o Guto aquele danado?
- Sei não painho.

Já estava anoitecendo, e a paisagem estava ficando escura enquanto Jonas observava receoso. Sentia dentro de si que isto que estava acontecendo não poderia ser real. Brigava com que seus olhos e ouvidos lhe mostraram. Então percebeu uma luz piscando dentro do depósito. Olhou para o estábulo e viu Pedrinho, Joana, Janaina e Maria circulando por lá. Então quem poderia estar lá? Seu filho Guto? Sozinho, bem aonde Jonas havia se encontrado com o demônio! Olhou para Rafinha e disse:

- Não saia do seu quarto a não ser que eu ou sua mãe lhe chame visse? Vou achar teu irmão.
Rafinha somente mexeu a cabeça positivamente, enquanto Jonas saiu dali em passos largos. Pegou sua carabina velha, e foi apressado em direção do depósito. Chegando lá logo gritou por seu filho:
- Oh Guto! Oh Guto! Tu ta aqui moleque?
Não ouve resposta, mas Jonas ouviu algo se mexer mais a frente. Empunhou sua carabina e foi em direção ao barulho. O som de palha sendo mexida vinha de dentro do galpão onde se guardava os fertilizantes, bem onde Jonas tinha ouvido pela primeira vez o demônio lhe chamar.
- Eu to entrando seu demônio de meia tigela! E vou lhe passar a bala! Tô avisando!
Então Jonas entrou, e encontrou seu filho Guto, fazendo um montinho de palha no chão.
- Oxi! Que tu ta fazendo aqui moleque? Por que não me respondeu? Que tu tá fazendo ai?
Jonas tinha muitas perguntas e Guto poucas respostas.
- Vamo me responde desgraceira!
- Nada não pai...

Então Jonas resolveu ter uma abordagem mais direta. Foi em direção de Guto, e chutou o monte de palhas que ele estava fazendo, revelando o livro negro que ele havia tomado de seu filho antes.
- Mas guri maleducado! Tu pegou isso do meu quarto? Tu merece mesmo uma surra!
- Desculpa pai! É que...
- É que nada moleque! Vamo sair daqui logo que está escurecendo.
- Porra pai você não me intende mesmo! Eu até posso aceitar que você não me intenda, mas não aceito que você não me respeita! Eu já disse mil vezes e digo de novo: EU VOU FUGIR DESSA ROÇA MALDITA! EU ODEIO ESSE LUGAR!

Então o galpão começou a ficar mais quente de repente, e um cheiro ruim começou a circular. Jonas sentiu que havia algo de errado. Olhou para seu filho assustado e sem palavras. Guto por sua vez, também sentiu algo de errado.

- Painho? Que cheiro é esse? E que calor da desgrama!
- Vamo simbora Guto.
- Ta bom painho, mas deixa eu levar o livro que...
Guto foi interrompido subitamente! Um buraco bem baixo dele começou a puxar o garoto para baixo. Ele estava sendo enterrado vivo!
- Guto meu filho!
- Painho tão me puxando! Socorro!
- Gutoooooo!
Jonas viu seu filho sumir no chão, antes que pudesse chegar nele! Estava aterrorizado! Então subitamente desmaiou.

. . .


Jonas acordou meio desnorteado. Olhou em volta e nada do seu filho Guto. Ficou indeciso se aquilo era um sonho ou realidade. Pegou sua espingarda e começou a procurar, mas não achou nada. Até mesmo o livro tinha sumido. Já estava bem escuro, a única luz que iluminava a área era a forte luminária acesa na entrada do estábulo, que não era tão longe dali. Ele não sabia o que fazer, e o que iria explicar pra sua esposa? Poderiam achar que ele mesmo era o culpado do sumiço de Guto. 

Ultimamente eles discutiam muito, não se entendiam mais como pai e filho. Guto sempre se demonstrou descontente de viver ali, nem mais em Joana ele prestava atenção. Ele várias vezes gritou pelo campo que odiava seu pai. Certa vez Jonas cheio de raiva, disse que mataria seu filho a bordoadas se ele não se comportasse. Jonas estava em uma situação complicada. Então a luz que vinha do estábulo começou a piscar. E então começou um barulho alto de gente gritando, e de panelas e pratos batendo. O coração de Jonas começou a bater muito rápido. Agora o demônio estava atrás de toda sua família!
Saiu correndo em direção ao estábulo como se sua vida dependesse daquilo, e de fato dependia. Abriu a porta e correu pro meio do salão maior onde estava todo mundo. Mas quando ele entrou o barulho havia parado, e de repente a luz se apagou.

- Demônio! Apareça! Vamos resolver isso eu e você! Já chega de me atormentar! – Falou Jonas empunhando sua carabina.
Então das sombras um braço forte abaixou o cano da arma pra baixo, a luz se ascendeu revelando que quem o atacava era Pedrinho:
- Te acalma homi é só uma brincadeira, fizemos essa barulhada pra te chamar pra janta! Tu tinha sumido! Olhe em volta está todo mundo aqui quase. O Duque e o amigo dele de “Holiudi” chegaram.
Jonas olhou em volta e viu Maria, Janaina, o Duque Valdir e seu companheiro que ostentava uma cabeleira loira o observando. Duque estava a risadas observando a cena.

- O meu velho amigo Jonas! Vejo que está uma pilha de nervos hein – Disse o Duque dando umas risadinhas em direção ao seu amigo Hollywoodiano – Deixa eu te contar. Desde ontem à noite você está participando de uma experiência que eu e meu amigo Bryan Cock desenvolvemos. Tudo não passou de uma pegadinha feita com efeitos de Hollywood! Não é incrível?
- Como que é seu Duque? Não intendi – perguntou Jonas espantado.
- Deixa eu te explicar. Ontem a noite no depósito eu e meu amigo Bryan usamos óculos pra enxergar no escuro e modificadores de voz pra te assustar. Enquanto isso Bryan pegou de seu bolso um aparelho e falou com sotaque americano e com a voz gutural modificada pelo aparelho:
- Vou te pegar, vou te pegar!
Todos riram com a cena e Jonas permanecia sem reação.
- Então você saiu correndo que nem um condenado! Foi hilário! Ai hoje mais cedo, controlamos sua televisão através da tecnologia do meu amigo Bryan e usamos a mesma voz pra te assustar. Filmamos tudo pra que você fique famoso meu amigo! Tínhamos um final especial guardado pra você aqui no
estábulo, mas Maria insistiu que parássemos com a brincadeira, pois tinha medo de que pudesse acontecer com você. Mas vendo essa carabina na sua mão, vejo que na verdade quem corria perigo era a gente.
Todos riram com a irreverencia do Duque menos Jonas.
- Então se tudo era uma brincadeira, já pode me dizer onde está meu filho. Morri de medo quando ele sumiu.
- Teu filho? Sei do seu filho não Jonas – Respondeu o Duque com um tom debochado típico dele.
- Mas homi! A brincadeira não acabou? Então me diga logo onde está meu filho vá!
- Mas meu caro eu não sei do seu filho! Não fiz a brincadeira com ele – Respondeu o Duque agora mais sério.
- Mas homi, eu lhe pergunto a ultima vez! Não queria lhe faltar com o respeito, mas não guento mais isso! – Falou Jonas aumentando o tom de voz enquanto Maria olhava pra ele muito preocupada.
- Já disse rapaz, não sei do seu filho!
Então Jonas perdeu a calma e partiu pra cima do Duque. Pedrinho e Bryan tentam segurar ele, mas Jonas está absorto de raiva. Então Joana entra no salão do estábulo segurando Rafinha pela mão e fala assustada:
- Mainha o que está acontecendo?
- Olha Jonas ai está teu filho! – Fala Janaina gritando na direção de Jonas.
Jonas se acalma por um segundo e olha pra Rafinha e fala com tom de voz alto:
- Não é de Rafinha que estou falando mulher! Eu quero saber é de Guto!

Todos se calaram em surpresa ao ouvir essa demanda. Se entre olhavam com estranheza. Joana começou a chorar de repente, e sua mãe foi lhe abraçar. Pedrinho soltou Jonas e olhou para o chão sem ação. Rafinha começou a chorar também carregado pela emoção de Joana. Então Maria olhou com um olhar de desapontamento para Jonas e falou:

- Homi já chega! Você precisa se tratar! Não da mais pra você viver assim! Já se passaram três anos! Não adianta você ficar revivendo o sumiço de Guto todo final de primavera, como você faz todo ano! Deixa nosso filho ir! Chega!
Jonas ficou sem palavras. Não sabia mais o que era real ou não. Pegou sua carabina e começou a se dirigir pra saída:
- Não importa mulher. Eu vou atrás do demônio que levou nosso filho! Eu vi com esses olhos que a terra há de cumer! Eu vi o nosso filho sendo arrastado pro inferno! Se eu me lembrei disso hoje é porque tem um motivo! Eu vou atrás do Demônio de Olhos Vermelhos até o fim do mundo! – Falou isso e saiu correndo pelo campo afora.
- Maria você me desculpe. Eu não sabia que o meu amigo Jonas estava passando por essas dificuldades psicológicas. Se eu soubesse nunca tinha feito nada disso. Era só uma brincadeira e acabei despertando isso nele.
- Tudo bem Duque, nós devíamos ter te contado. Só estávamos com medo que você mandasse a gente embora por isso – Falou Maria com pesar em sua voz.
- Não, claro que não Maria, irei ajudar vocês não se preocupem – Falou o Duque e ficou pensativo por alguns segundos, então voltou a falar – Essa lenda do Demônio dos Olhos Vermelhos, lembro que teu avó contava pra gente quando ainda éramos crianças. É engraçado como a mente humana pode transformar histórias de ficção em realidade... Ou triste talvez.
- Vou atrás do compadre esperem aqui – Falou determinado Pedrinho.
- Não vá não Pedrinho deixe o Jonas sozinho por agora. Deixa ele se acalmar primeiro antes que aconteça o pior. Agora ele está sozinho com o pasto, sua carabina, e os demônios internos que ele tem que enfrentar.

Só lembrando que o concurso foi realizado pela Cabana do Doidão, um bar delicioso que fica em cachoeira. Quem conhece a cidade sabe exatamente que lugar é esse. hahaha
Mas pra quem não conhece, é só chegar na praça da 25 e procurar. :D

Comentários

Postar um comentário