Isaac Asimov no Dia do Orgulho Nerd


Como todos nós sabemos, hoje é o Dia do Orgulho Nerd. O dia 25 de maio foi escolhido para comemorar a première do primeiro filme de Star Wars, que aconteceu em 25 de maio de 1977, mas o Dia do Orgulho Nerd (ou Dia do Orgulho Geek) divide a data com outros dois "feriados", o Dia da Toalha (comemorado pelos fãs da trilogia de cinco "O Guia do Mochileiro das Galaxias", em homenagem a Douglas Adams) e o Glorioso 25 de Maio (comemorado pelos fãs de Discworld, em homenagem ao escritor Terry Pratchett).

Eu confesso que fiquei em dúvida sobre o que escrever hoje, mas ontem enquanto eu lia um pouco sobre a história de Asimov eu decidi que ele seria um ótimo tema. :)


Asimov nasceu em 2 de janeiro de 1920 (mesmo ano em que a palavra "robô" foi usada pela primeira vez, pelo teatrólogo checo Karel Capek) na antiga URSS, mas se mudou para os Estados Unidos com apenas 3 anos de idade.

Aos 19 anos ele começou a escrever suas histórias sobre robôs. Ele criou a a palavra "robótica" e desenvolveu as 3 Leis da Robótica. De acordo com o autor, essas leis foram criadas como uma resposta à "síndrome de Frankenstein", a crença de que robôs e seres artificiais seriam uma ameaça à humanidade. As leis são:

Primeira Lei da Robótica: Um robô não pode causar mal ou, através da inação, permitir que um ser humano seja ferido.

Segunda Lei da Robótica: Um robô deve obedecer às ordens dadas por seres humanos exceto se tais ordens entrarem em conflito com a Primeira Lei.

Terceira Lei da Robótica: Um robô deve proteger sua própria existência desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira e Segunda Lei.

As três Leis da Robótica se tornaram a criação mais famosa de Asimov. Posteriormente, em um livro onde os robôs assumem a responsabilidade de governar os seres humanos, uma nova lei foi criada:

Lei Zero: Um robô não pode causar mal, ou por negligência, permitir que o mal aconteça à humanidade.

Após a criação das leis, escritores e cineastas começaram a adotar as ideias de Asimov numa revolução inédita da ficção científica. No cinema o primeiro robô inspirado nas leis de Asimov foi Robbie, personagem do espacial Planeta Proibido, produzido pela MGM em 1958. O nome do robô é uma referência ao primeiro conto de Asimov sobre o tema (e o primeiro conto do livro Eu, Robô).
O filme Planeta Proibido fez tanto sucesso que inspirou os seriados Jornada nas Estrelas e Perdidos no Espaço. Outro artista influenciado por Eu, Robô foi George Lucas. Os robôs R2D2 e C3PO, da saga Guerra nas Estrelas foram claramente moldados de acordo com a fórmula de Isaac Asimov.
Além de tudo, Asimov era um visionário, em 1964 ele fez algumas previsões para 2014 que se tornaram reais:

"Enormes estações de energia solar estarão em atividades nas regiões desérticas e semi-desérticas".

"Cozinhas irão preparar comidas pré-processadas, aquecendo água e convertendo-a em café...".

"Em 2014, apenas naves não tripuladas terão pousado em Marte e expedições humanas estarão em estudo".

E em 1988, quando as conexões de computadores em rede ainda eram experimentos, Asimov previu o impacto da internet na educação. Confira o vídeo da entrevista do autor.


Para finalizar, vamos ver alguns dos livros de um dos grandes mestres da ficção cientifica.



Trilogia Fundação

Uma das obras mais famosas do autor, a trilogia da Fundação conta a história da humanidade, em um ponto distante no futuro, no qual o visionário cientista Hari Seldon prevê a destruição total do império humano e de todo o conhecimento acumulado por milênios. Incapaz de impedir a tragédia, ele arquiteta um plano ousado, no qual é possível reconstruir a glória dos homens.


Eu, Robô

Sensíveis, divertidos e instigantes, os contos de “Eu, robô” são um marco na história da ficção-cientifica, seja pela introdução das célebres Leis da Robótica, pelos personagens inesquecíveis ou por seu olhar completamente novo a respeito das máquinas. Vivam eles na Terra ou no espaço sideral; sejam domésticos ou especializados, submissos ou rebeldes, meramente mecânicos ou humanizados, os robôs de Asimov conquistaram a cabeça e a alma de gerações de escritores, cineastas e cientistas, sendo até hoje fonte de inspiração de tudo o que lemos e assistimos sobre essas criaturas mecânicas.


O Homem Bicentenário

A história toca em problemas que certamente já se colocam nos altos escalões da pesquisa científica. Aqui, Andrew, o robô perfeito, extremamente inteligente, persegue as fragilidades humanas e se torna personagem desta que é uma obra-prima da ficção científica.


O Fim da Eternidade

Andrew Harlan é um Eterno: membro de uma organização que monitora e controla o Tempo. Um Técnico que lida diariamente com o destino de bilhões de pessoas no mundo inteiro: sua função é iniciar Mudanças de Realidade, ou seja, alterar o curso da História. Condicionado por um treinamento rigoroso e por uma rígida autodisciplina, Harlan aprendeu a deixar as emoções de lado na hora de fazer seu trabalho. Tudo vai bem até o dia em que ele conhece a atraente Noÿs Lambent, uma mulher que abala suas estruturas e faz com que passe a rever seus conceitos, em nome de algo tão antigo quanto o próprio tempo: o amor. Agora ele terá de arriscar tudo - não apenas seu emprego, mas sua vida, a de Noÿs e até mesmo o curso da História.

"O Fim da Eternidade" (publicado originalmente em 1955), junto com a série "Fundação e The Gods Themselves", está entre os melhores livros escritos pelo autor, e é considerada uma das mais bem-sucedidas histórias de viagem no tempo

Apesar de eu ter colocado so alguns livros, Isaac Asimov tem mais de 500 obras e vale muito a pena futucar e ler.

Quem quiser saber um pouco mais sobre o autor, eu achei um texto maravilhoso na Obvious.

Comentários

  1. Achei muito legal essa comemoração, admito que é a primeira vez que ouvi falar do dia do orgulho nerd, mas as redes sociais estão em massa falando disso, ótimo post!

    http://www.leitorasvorazes.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oiii Dani, tudo bem???
    Eu nunca li nada do autor, dá pra perdoar um negócio desses? Não dá! Mas juro que assim que der, lerei algo hehehhe. Apesar de não ser uma grande fã do gênero, tudo o que li até hoje curti bastante.
    Ahhh e sobre essas previsões, acho que alguns autores tem um pouco disso hahahha
    Beijooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gih!
      Leia mesmo, você não vai se arrepender. <3
      Beijo

      Excluir
  3. Olá, Daniella.
    Primeiro parabéns pela postagem, está ótima. Eu já tentei ler alguma coisa do autor, mas não consegui gostar. Mas mesmo não gostando do livro, achei muito interessante essa criação dele sobre os robôs.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sil!
      Que pena que você não gostou. Eu acho esse cara sensacional. rs
      Beijo

      Excluir
  4. Oi, Dani! Tudo bem?

    Eu preciso parar e pegar os livros do autor, pois li O Guia do Mochileiro e não curti... mas revendo, quem sabe eu não venha a gostar? ;)

    Obrigado por visitar nosso site Irmãos Livreiros

    Beijos,
    Participe do sorteio Dia dos Namorados no Irmãos Livreiros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Daniel!
      Eu sou suspeita pra falar, porque eu amo o gênero (o guia é meu xodó. rs), mas espero que você goste nessa segunda chance. :P
      Beijo

      Excluir

Postar um comentário