Literatura Cyberpunk


Como tem milhares de anos que não posto um gênero literário aqui, vou deixar para responder depois as milhões de TAGs que estou devendo e falar um pouquinho sobre a literatura cyberpunk.
Cyberpunk é um subgênero da ficção científica. O termo é uma mistura de cibernética e punk e é conhecido por seu enfoque na "alta tecnologia e baixo nível de vida", ou seja, o gênero mostra um universo em que o desenvolvimento social não acompanhou o desenvolvimento tecnológico.
Alguns elementos do gênero são a presença de hackers, o mundo dominado por impérios corporativos, implantes cibernéticos e rebeldes que não aceitam terem suas vidas guiadas pela tecnologia. Ao contrário de histórias futurísticas que mostram o avanço da tecnologia como uma coisa boa, que ajuda no desenvolvimento da sociedade e que é todo mundo rico, com carros voadores a casas automatizadas, o universo cyberpunk mostra a tecnologia como forma de manipular uma sociedade de baixa renda. Os personagens desse gênero geralmente são marginalizados, solitários e vivem em um mundo em rápida mudança tecnológica, onde máquina e ser humano se confundem.
Agora que eu acho que consegui explicar mais ou menos o que é cyberpunk, vamos ver alguns exemplos do gênero.

Neuromancer - William Gibson


Um hacker renegado, uma samurai das ruas, um fantasma de computador, um terrorista psíquico e um rastafari orbital num thriller sexy, violento e intrigante. De Tóquio a Istambul, das estações espaciais ao não-espaço da realidade virtual, o tenso jogo final da humanidade contra as Inteligências Artificiais...
Evoluindo de Blade Runner e antecipando Matrix, Neuromancer é o primeiro - e ainda hoje o mais famoso - livro de William Gibson. É considerado não só o romance que deu origem ao gênero cyberpunk, mas também o seu melhor representante.



Piratas de Dados - Bruce Sterling


Laura Webster e seu rápido caminho para o sucesso. Jovem e brilhante executiva de uma gigantesca corporação multinacional, vive numa idade pós-milênio de paz, prosperidade e lucro. Numa era de tecnologia avançada em que a informação é o bem mais precioso. A informação é poder. Os dados são trancados em computadores e racionados por meio de uma rede de comunicação global. O completo acesso é privilégio de poucos. E agora Laura Webster está para mergulhar fundo num mercado negro dos piratas de dados, no mundo dos mercenários da Nova Era, do vodu de alta tecnologia... e da morte.



 Cyberpunk - Histórias de um Futuro Extraordinário - Vários


Como o Cyberpunk é um gênero narrativo bem definido, é necessário conseguir variações temáticas e de narrativa, e ainda assim manter a linha necessária para agradar tanto aos leigos como aos puristas. Ronaldo Luiz Souza trouxe uma história clássica, com referências tecnológicas misturadas com muita ação, mesclando a realidade e a virtualidade. Luiz Bras apresentou uma narrativa com o melhor do estilo cyberpunk que se consagrou com o uso do ciberespaço, mas sem deixar de lado o refinamento no uso da escrita. Gianpaolo Celli rompe as amarras do convencional, trabalhando uma história futurista, onde estações espaciais e aeronaves são corriqueiras no dia a dia. Débora Vieira Ramires cedeu uma narrativa com ares de ficção científica, onde androides estão a solta e uma rede de ambientalistas necessita da ajuda de um para salvar espécies ameaçadas. Ramon Giraldi transporta o leitor em uma trama cheia de ação, com runners e corporações capazes de tudo pelo lucro. Ubiratan Peleteiro arremessa o leitor para uma coletividade onde é quase impossível separar o que é real, incluindo os próprios seres humanos. Maria Helena Bandeira nos dá um conto “diferente”, unindo com humor o maior esporte nacional, máquinas quase humanas e o famoso jeitinho brasileiro em um caldo que realmente proporciona uma inovação dentro da literatura cyber. Pedro Vieira transporta o leitor para um ambiente noir policial, mas com um clima bem humorado e repleto de referências ocultas, além de heróis extremamente não convencionais. E Richard Diegues encerra as páginas da obra com chave de ouro, mostrando a clássica Realidade Virtual e o drama de uma eleição presidencial muito disputada, cheia de reviravoltas e artimanhas, além da tecnologia que agrada muito aos apreciadores do gênero. Podemos dizer sem risco de errar que esta, além de ser a primeira obra brasileira do gênero com essa proposta, será durante muitas décadas a mais representativa e também a mais ampla apresentação do Cyberpunk no país.

Mona Lisa Overdrive - William Gibson

No futuro, existe a matrix. Uma espécie de alucinação coletiva digital, na qual a humanidade se conecta para, virtualmente, saber de tudo sobre tudo. Uma das sensações do mundo virtual são os stims, narrativas sensoriais nas quais o espectador se coloca no lugar dos personagens. Angie Mitchell é uma das maiores estrelas dos stims. Mas ela também possui uma capacidade única - pode conectar-se ao ciberespaço sem o auxílio de qualquer equipamento. Kumiko teve que ir embora do Japão para não se envolver na guerra em que seu pai e todos os Yakuza estão metidos. Mona sonha e espera por uma chance. Adolescente, prostituta e sem perspectivas, tudo muda para ela quando lhe oferecem uma grande oportunidade. O que todas elas têm a perder? 




Comentários

  1. Grandes livros que fazem/fizeram a cabeça da garotada esperta!

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    Acho esse gênero fascinante, porém não cheguei a ler nada do tipo e nem tenho interesse. Minha praia é ler algo mais leve.
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já eu, fico entediada com leitras mais leves. rs
      Beijo

      Excluir
  3. Oiii Dani. Achei legal a sua explicação. Mas acho que nunca li nada do tipo, geralmente eu leio coisas mais leves mesmo, heheheh
    Um beijão
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cada um tem seu gosto literário, o meu por exemplo, não inclui leituras leves. rs
      Beijo

      Excluir
  4. Oi! Adorei a postagem, super interessante. Não conhecia este gênero literário e fiquei curiosa. Muito legal você ter colocado exemplos de obras, não conhecia e vou procurar ler, com certeza. :)
    Gostei muito do seu blog, estou seguindo e curtindo a fanpage e desejo-te muito sucesso!
    beijos ♥
    nuclear--story.blogspot.com.br | Participe do sorteio no blog (aqui)!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!
      Que bom que você gostou!^^
      Amei seu blog. *-*
      Beijo

      Excluir
  5. Oi Daniella, tudo bem?
    Adorei o post, é super comum existirem dúvidas sobre os gêneros literários e eu mesma nunca sei definir com precisão o cyberpunk.
    Eu nunca li nada no estilo, mas gosto muito da arte cyberpunk. Quem sabe um dia desse escolha um livro pra conhecer. =)
    Beijos,

    Priscilla
    http://infinitasvidas.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Priih!
      Eu gosto bastante do estilo, quem sabe vc não se interesse também, né?^^
      Beijo

      Excluir
  6. Nunca li nada desse gênero, mas parece ser bem legal. Vou procurar para ler ^^

    Até mais!
    Math // de-livro-em-livro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Oi, amei as dicas de livros, já tenho o Neuromancer aqui na minha listinha *-*-*

    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Oi, amei sua lista de livros, já tenho Neuromancer aqui pra começar *-*-*

    Bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário